Neste Blog, o Dr. Paulo Branco irá publicar matérias sobre as suas especialidades, além de responder duvidas e interagir com seus leitores e pacientes.
Fique sempre atualizado para saber das melhores e mais inovadoras técnicas para desenvolver seu bem estar e qualidade de vida.
Envie suas dúvidas e perguntas para: paulobrancoprocto@gmail.com

Youtube - Dr. Paulo Branco

Youtube - Série especial de vídeos

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Mulher: Distúrbios sexuais


Mulher: Distúrbios sexuais
Medico: Dr. Paulo Branco

Muitas mulheres têm dificuldades sexuais em algum momento de suas vidas. Com frequência, trata-se de um problema temporário que se resolve por si mesmo. Porém às vezes o problema persiste e causa angústia. Esse tipo de problema cai na categoria geral de disfunção sexual feminina.

Informações elementares:
A disfunção sexual refere-se a um problema persistente e recorrente encontrado em  ou mais dos estágios da resposta sexual, afetando negativamente seu relacionamento com seu parceiro. A disfunção sexual pode ocorrer em mulheres de todas as idades, mas durante a menopausa metade de todas as mulheres – ou até mais – pode ter problemas sexuais.
Os médicos e os terapeutas geralmente dividem a disfunção sexual nas mulheres em quatro categorias:
- Baixo desejo sexual:
Sua libido está em baixa, ou você não sente impulso sexual, e está angustiada por isso. Este é o tipo mais comum de distúrbio sexual entre as mulheres.

- Distúrbio da excitação sexual:
Seu desejo de sexo está intacto, mas seu organismo não produz lubrificação para mantê-la excitada durante a atividade sexual.

- Distúrbio orgásmico:
Você tem uma dificuldade persistente ou recorrente ou demora a chegar no orgasmo após suficiente excitação sexual e estímulo contínuo. Se você jamais teve um orgasmo, o distúrbio é denominado de distúrbio orgásmico primário. Numa mulher que antes tenha chegado ao orgasmo, mas que já não o atinge, ele é chamado de distúrbio orgásmico secundário.

- Distúrbio da dor sexual:
Você tem dor associada as estímulo sexual ou ao contato vaginal. A dor genital recorrente ou persistente associada às relações sexuais é chamada de dispareunia. Se você tem espasmos dolorosos e involuntários dos músculos em torno da entrada da vagina, a condição será diagnosticada como vaginismo.

Fatores de risco:
Vários fatores podem causar ou contribuir para a disfunção sexual nas mulheres. Eles geralmente são classificados em três categorias:



1- Físicos:
Há numerosas condições físicas que podem causar ou contribuir para problemas sexuais, incluindo artrite, diabetes, dores de cabeça e dificuldades urinárias ou intestinais. A fadiga é um fator bem reconhecido. Certos medicamentos, incluindo alguns antidepressivos, medicamentos para a pressão arterial, sedativos e anti-histamínicos, podem atuar diminuindo o desejo sexual, reduzir a lubrificação ou a sua capacidade de atingir o orgasmo.

2- Hormonais:
A deficiência de estrogênio depois da menopausa poderá resultar em alterações em seus órgãos genitais e em sua resposta sexual. As dobras de pele que cobrem sua região genital (lábios) se retraem e se tornam mas finas, expondo mais o clitóris. Essa exposição aumentada pode reduzir a sensibilidade do clitóris, ou pode causar uma sensação desagradável de prurido.
À medida que você envelhece, também leva mas tempo para que a vagina inche e se lubrifique quando você está sexualmente excitada. A abertura da vagina também pode ficar mas estreita e o interior, menos elástico. Esses fatores podem levar a uma relação sexual difícil ou dolorosa ( dispareunia), e pode-se levar mais tempo para se atingir o orgasmo.

3- Psicológicos e sociais:
Dificuldades emocionais como estresse, raiva, ansiedade ou depressão podem causar ou contribuir para problemas sexuais. Seus sentimentos em relação a sua parceira ou sua visão do seu corpo ou da parceira, são fatores adicionais que podem se combinar para causar problemas sexuais.

Tratamento:
As causas externas, como o uso de medicamentos poderão ser mudados se possível, pelo seu medico.
Se você está na pós-menopausa e com sintomas característicos de deficiência hormonal poderá tratar com a reposição estrogênica via vaginal na forma de creme. O uso de lubrificantes vaginais adequados poderão aliviar as dores durante a relação.
Exercícios físicos propostos por Kegel para aumentar o tônus dos músculos perineais envolvidos no orgasmo feminino poderão ser feitos para aumentar o prazer. A psicoterapia está indicada quando problemas psicológicos ou de relacionamento podem está afetando o seu bem está sexual.

Atitude: O que pode ser feito?
Independentemente de sua idade, é importante não esquecer sua sexualidade. Eis algumas estratégias para melhorar seu desejo sexual e ter maior satisfação:

- Comunicação aberta com a sua parceira:
Discuta as alterações físicas pelas quais você ou sua parceira possa estar passando e o que vocês podem fazer para satisfazer um ou outro durante o sexo. Isso pode envolver a tentativa de diferentes posições que tornam a relação sexual mais confortável, ou ter sexo numa hora em que você esteja com o máximo de energia.

- Diga a sua parceira exatamente o que você quer e o que não quer.
Se for mas fácil, guie as carícias da sua parceira.

- A relação está previsível, tente alguma coisa nova ou diferente:
Capriche em um novo visual ou cenário, faça e se torne uma surpresa. Escolha uma hora diferente do dia para  namorar ou para fazer amor.

- Mantenha-se sexualmente ativa:
A atividade sexual regular pode aumentar a intimidade e melhorar seu relacionamento com a sua parceira. Ela também melhora a lubrificação vaginal e ajudará a manter os tecidos vaginais mais flexíveis.

-     Cuide-se
Alimentar-se da maneira correta com uma alimentação equilibrada ou balanceada associada a pratica regular de atividades físicas aumentara os anos com uma excelente qualidade de vida. Com certeza você terá uma vida sexual com mas disposição e felicidade, mesmo na menopausa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário