Neste Blog, o Dr. Paulo Branco irá publicar matérias sobre as suas especialidades, além de responder duvidas e interagir com seus leitores e pacientes.
Fique sempre atualizado para saber das melhores e mais inovadoras técnicas para desenvolver seu bem estar e qualidade de vida.
Envie suas dúvidas e perguntas para: paulobrancoprocto@gmail.com

Youtube - Dr. Paulo Branco

Youtube - Série especial de vídeos

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Sexo anal: Um guia educativo para mulheres


Sexo anal para mulheres: Um guia educativo
 Somente gay ou bissexuais.
Introducao: Dr Paulo Branco
A razão para eu escrever este artigo educativo  foi o grande numero de e-mail e na minha rede social de mulheres cobrando o porque no meu blog ( blog da saúde gay ) eu escrevo quase que somente para o publico GLBT. Falar ou escrever sobre sexo anal para  mulheres que buscam conhecimento, compreensão e prazer nesta opção ou variante sexual exigiu de mim uma experiência clinica, sensibilidade, compreensão e resultados melhores possíveis na orientação e tratamento das afecções proctologicas.  Espero que este artigo sobre relação anal seja esclarecedor para o publico feminino. Os homens desejam mas o sexo anal que as mulheres pois a tonicidade ou contrações dos músculos anais parece garantir um prazer mas intenso para eles.  O homem moderno deverá ser desprovido de egoísmo e despertar e manter na sua relação com a mulher a vontade, disposição, erotismo e o desejo de praticar esta opção sexual porque a época de fazer somente para satisfazer o fetiche do homem e o prazer unilateral meu amigo faz parte de um passado distante. Veja abaixo:

Na minha clinica veja as razoes referidas para fazer ou não o sexo anal:

Leiam as razoes femininas:
- Fazer:
Apimentar a relação
Satisfazer o casal
Como opção sexual

- Não fazer:
Estético: Na totalidade dos casos pela presença de pelinha e hemorroidas externas na volta da abertura anal que comprometem a distribuição normal das preguinhas anais comprometendo de mas o aspecto psicológico da mulher e muitas só conseguiram ter uma relação prazerosa e intensa depois que eu tratei a pelinha com o laser.
Medo e inapropriado
Contrair Infecções
Dor
Sujar durante a relação
Não ter prazer e satisfazer somente o homem
Praticas religiosas

Agora as razões masculinas:
- Fazer:
Prazer: A abertura anal é mas apertada que o orifício vaginal o que da mas prazer.
Psicológico: O papel de dominante ou ativo aumenta o libido e potência.
Mas difícil: O fato de ser proibido e muitas mulheres não aceitarem como uma opção sexual, tornará a conquista um instrumento de satisfação e prazer.

- Não Fazer:
Consideram sujo, inapropriado.
Contraíram infecções: Uretrite e prostatite.
Somente para Satisfazer a parceira.


Saiba as principais diferenças na mulher e como  contorna-las:

Leia com atenção: A primeira informação importante que as mulheres e seus parceiros devem ter é que o anus tem uma anatomia, fisiologia e função diferente da vagina e que a relação anal pegou uma fama de transmitir doenças pelo sangue como hepatite, HIV e outras pelo contato com a pele como o HPV o que é verdadeiro no mundo da promiscuidade e mentiroso no sexo anal responsável e praticado com segurança.



Diferenças:
Anatomia:
- Vagina: Tem um formato anatômico, característico de um canal, delicado, macio e revestido por mucosa, propicio para a penetração, uma lubrificação natural e adequada que protege contra possíveis traumatismos, um ph ou meio que permite a ação de células de defesa contra microrganismos invasores e se comunica com o exterior através de uma fenda.

- Clitóris: É um órgão erétil pequeno e cilíndrico, situado no encontro superior dos grandes lábios sendo composto de dois pilares. Um corpo e uma glande. Poderá ser manipulado durante a relação anal para aumentar a excitabilidade e ter mas chance de chegar ao orgasmo.

- Ânus: Tem a forma de um orifício que comunica o tubo digestório com o exterior. A coloração da pele ao redor do ânus tem uma textura mais forte que a pele das nadegas. Pode ser de cor rosada ou mas escura que leva muitas pacientes a duvida se poderá clarear a pele.

- Canal anal: O ânus também se apresenta como um canal de aproximadamente 1 a 3cm de comprimento, sendo formado por pele externamente e mucosa internamente. Este canal é cercado por músculos firmes que contribuem para mante-lo fechado e se comunica com o reto através de um orifício funcional e de forma angulada deixando passar pelo seu interior secreções e conteúdo fecal responsável por possíveis contaminações na relação anal desprotegida. O canal anal se continua com o reto não de forma reta mas sim de forma obliqua razão pela qual qualquer forma de  penetração, peniana ou com dildos ( brinquedos )no inicio deverá ser delicada e lenta para evitar possível traumatismo da mucosa retal.

- Reto: Tem um comprimento entre 15 a 17cm sendo revestido por uma delicada mucosa especializada na absorção do conteúdo retal.
Tem um papel importante por abrigar o pênis ( Media entre 14 a 17cm ) no seu interior e deverá esta o mas limpo possível antes da relação.

- Conteúdo anorretal: É rico em microrganismos  nocivos para a mucosa vaginal e por isso o pênis não deverá após ser retirado do anus ser introduzido no canal vaginal pois poderá causar uma infecção seria na mucosa vaginal, por isso antes de introduzir na vagina lave o pênis ou mesmo brinquedos com agua e sabão e se tiver de camizinha troque a mesma por outra limpa. Se houver a contaminação a conduta correta será fazer um exame de identificação do microrganismo que é a cultura e saber a que antibiótico é sensível.

Lubrificação:  O canal anal não apresenta uma lubrificação própria como a mucosa vaginal por isso uma lubrificação adequada com lubrificantes a base de agua e neutro representará parte obrigatória antes e durante na relação anal. Muitas pacientes me procuram com inflamações na parte interna do anus, diagnosticadas como proctites e fissuras chamadas de radiadas na pele perianal que são consequentes a uma lubrificação inadequada associada a falta de comando da mulher no inicio da relação.


- Musculatura: A musculatura anal é mas firme e contribui  para manter a fenda anal fechada. Para o relaxamento desta musculatura faça uma massagem delicada por cerca de 2’ no musculo perianal e controle a penetração e a impulsividade do homem que geralmente conduzido pelas suas fantasias eróticas extremas ( Filme pornô ) não respeitará este tempo de relaxamento adequado para uma penetração sem trauma.
- Deficiência hormonal: Existem muitos receptores de estrógeno nos músculos perianal e vaginal e a queda deste hormônio determinará uma diminuição da contração dos músculos com diminuição do prazer. Muitas pacientes referiram melhora com a reposição hormona

- Comentário: Dr. Paulo Branco
A vagina e o canal anal fazem parte de uma região        ricamente inervada e vascularizada o que as tornam muito sensíveis e com alto apelo erótico para os estímulos visual, tátil e do sexo em si antes, durante e após  a relação. Veja o comprimento do reto e entenda o porque sempre falo que a lavagem retal deverá ser feita sob baixa pressão e com pequenos volumes de uma solução adequada. Considerando o tamanho do pênis do brasileiro, acima referido, você não precisa de uma higiene além do reto. 


 Erotização
A grande maioria dos relacionamentos com o tempo, perdem o encantamento, desejo e a erotização que representam o gatilho para uma excitação, e resposta sexual criativa, intensa e prazerosa.







- Mulher moderna x erotização:
A mulher acusada de ser incapaz, como consequência da sua própria  educação  dirigida para a formação e educação da família, de manter ou acabar com as fantasias eróticas que faziam parte quase que somente da educação masculina, mudou e está atualmente praticando a liberdade adquirida e em busca de novas formas de expressar as suas ideias e o seu prazer. Apesar da velocidade e do volume de informações sobre sexo existentes e apresentadas por diferentes meios de comunicação, atualmente ainda há um preconceito e dificuldade de se falar, e não de forma aberta, sobre as opções e variações sexuais nas escolas, famílias  em uma nova sociedade que surge. A pequena quantidade de livros e literatura direcionados para informações sobre sexo e suas variações ainda é pequena e praticamente inexistente nas prateleiras das grandes livrarias o que torna a sociedade carente de informações e o que me estimulou a escrever para o publico feminino a semelhança do GLBT.

Características do erotismo:
 - Feminino:
Apesar de um considerável numero de mulheres tornarem a sua relação aberta, que considera a terceira pessoa ou colocando as fantasias dentro da relação, o tradicional ainda prevalece nos relacionamentos. As fantasias femininas são mas elaboradas do que a masculina e requerem para ser prazerosas uma historia construída com sussurros, envolvimento, romance e descobertas. As mulheres parecem ser mas criativas, ecléticas e maduras nas suas fantasia que apreciam desde a nudez até homens de terno e gravata.  

 - Masculino:
Geralmente é mas direto e focado na nudez feminina e no ato sexual em si, por isso não tem necessidade de uma historia, romance e muito menos envolvimento o que explica porque eles gostam tanto de filmes eróticos para se masturbar e nas preliminares, valorizando o tamanho do pênis, orgasmos múltiplos e ejaculações vigorosas.
       
    - Feminino e masculino:
As fantasias das mulheres e homens se tornam um ingrediente quase indispensável para aumentar o nível da excitação erótica do casal. Acho de fundamental  importância para o casal desfrutar da excitação erótica impulsionada ou aumentada pelas fantasias.   

Informação: 80% dos produtos eróticos vendidos em lojas e pela internet são para mulheres.


Técnicas para o sexo anal:
Dialogo:
A comunicação sexual representa uma das maneiras mais intensas e direta dos amantes se relacionarem, falando de forma aberta, clara e sem preconceitos sobre as suas fantasias, prazeres e necessidades sobre as quatro paredes.
A linguagem é um dos códigos mais claros e compreensíveis que se partilham, ao passo que os outros modos de relacionamento, por exemplo, os físicos, mudam de significado de uma pessoa para outra, e variam segundo os estados de espirito, o caráter e outros traços da personalidade. A comunicação sexual apóia-se tanto nas palavras como nos gestos e é dai que vêm a sua enorme riqueza e variedade, por isso, excluir uma das possibilidades é limitar o caminho do prazer. A confiança e a intimidade que se ganham ao expressar verbalmente a excitação e o gozo são o primeiro passo para a comunicação dos sentimentos.



Preliminares:
Para a realização do sexo anal as preliminares passam a ser fundamentais para o relaxamento e entrega dos parceiros. As zonas consideradas erógenas deveram ser percorridas e estimuladas pelas mãos de forma delicada proporcionando na mulher um aumento do libido e desejo, as preferidas são:

- Boca: O beijo representa o grau máximo da intimidade, desencadeia a resposta química da sexualidade, alterando os hormônios responsáveis pelo libido e prazer, elevando os níveis de excitabilidade do casal.

- Orelhas: As orelhas quando acariciadas pelas mãos e beijos parecem promover nos amantes uma descarga adrenérgica e de excitabilidade intensos.

- Nuca: É uma área erótica, extremamente sensível sendo muito explorada pelo ativo no sexo anal passivo. Quando tocada suavemente estimula receptores nervosos proporcionando um grande prazer.

- Mãos e dedos: O tocar das mãos sugere sensibilidade e desperta sentimento e paixão.

- Abdômen: Receba caricias com as mãos e dedos massageando suavemente a pele que cobre os músculos abdominais que desencadeará sensações prazerosas.

- Coxas: Sensível a beijos e caricias principalmente na parte interna representa uma área de intenso prazer a ser explorada nas preliminares.

- Mamilos: Principalmente na mulher são áreas de uma grande sensibilidade erótica e deverão ser tocadas com delicadeza e suavidade, porque se manipulado com forca poderá determinar a dor.  A sensibilidade varia com o ciclo hormonal da mulher.

Mulher: Penetração
Com pouco conhecimento da fisiologia, a penetração anal poderá ser feita de forma segura, sem riscos. Como qualquer músculo, seu esfíncter interno pode contrair-se até o momento em que se cansa e precisa relaxar. Quando ele se relaxa, seu parceiro poderá penetra-lo com segurança sem causar qualquer dor.  Aplique o lubrificante generosamente no pênis e na região externa do ânus. Sente-se lentamente sobre o pênis do seu parceiro, quando a glande encostar na abertura anal o esfíncter tende a se contrair de forma reflexa, faça uma pequena pressão com a glande na abertura anal e espere por 30’ a 60’ que é o tempo que o esfíncter levará para se relaxar e poderá haver a penetração. Se você não tiver esta paciência irá forçar o esfíncter interno que se encontra fechado e determinar o aparecimento de lesões como as fissuras. Quando perceber o relaxamento do esfíncter realize a penetração e após alguns movimentos suaves se mexa na posição que desejar. Depois da penetração você poderá realizar carinhos, caricias, beijos e manipulação das áreas perineais, vaginal e clitoriana para aumentar o desejo e libido. A mulher poderá chegar ao orgasmo com a manipulação do clitóris durante a penetração anal. Para que a penetração ocorra de forma indolor sugiro que a mulher no inicio esteja por cima, Quando você esta em cima, pode controlar a penetração conforme seu musculo se relaxe. Uma vez ultrapassado os músculos do esfíncter o caminho está livre. O reto tem aproximadamente 17cm de comprimento, o suficiente para acomodar qualquer pênis.  Para muitos pacientes o problema não é o comprimento, mas sim a circunferência. Se você faz parte deste grupo poderá usar dilatadores ou mesmo dildos ( brinquedos ) de calibre progressivos e de forma delicada e com uma boa lubrificação para dilatar a abertura anal, o que proporcionará uma dilatação progressiva do esfíncter até que você possa acomodar o seu parceiro. Incorpore essa brincadeira às suas preliminares, chegando a maior dilatação possível antes que o seu parceiro tente a primeira penetração. Se você fizer isso horas antes da relação, seu esfíncter poderá readquirir a contração antes que você chegue a cama.

Participação dos músculos:
Estudos e observações clinicas feitas por fisioterapeutas demonstraram que mulheres que exercitaram com frequência os músculos perineais, perianais e pélvicos  referiram benefícios, como
sensações pélvicas mas exuberantes
orgasmos mais intensos e com maior controle na relação.




Dildos ou brinquedos:
Muitas mulheres não entram ou vão a uma loja se sex shop por vergonha, medao de está fazendo coisa errada ou que o mundo inteiro esta de olho, se você faz parte deste grupo, mude porque já é quase normal para os donos destas lojas, preparados para um bom atendimento,  as mulheres entrarem e escolherem o seu brinquedo de diversão que diga-se de passagem tem muitas opções e a escolha deverá ser o que mas combina com as suas expectativas, fantasias e desejos. Mas se você não venceu a timidez poderá adquirir pela internet. Esses brinquedos são de grande importância para iniciantes e muitas pacientes referem ter definido um ponto G ou alcançado o orgasmo  através da masturbação com o dildo. Todos os cuidados aqui descritos como forma profilática de traumatismos, relaxamento adequado e  lubrificação deveram ser aplicados para o uso dos brinquedos.  0 uso dos brinquedos eróticos poderá melhorar a sua relação ou não. Antes de adquirir o seu, leia e siga as regras abaixo descritas para se divertir com prazer e de forma segura:

           Dicas e orientações para o uso dos dildos:
-      Orientações: Siga as orientações que acompanham cada produto.
-      Higienização: Faca a limpeza antes e depois do uso com agua e sabão ou produto adequado.
-      Embalagens: Não reutilize.
-      Compartilhamento: Não compartilhe com ninguém pois o risco de transmissão de DST para você poderá ser real.
-      Lubrificação: Deverá ser feita com lubrificantes a base de agua na abertura anal e reto inferior.
-      Alergia: Se houver pare imediatamente e se aumentar ou persistir procure um medico.
-       Dildo ideal: Material macio, com ponta romba, de diâmetro progressivo e com uma haste na sua base para evitar complicações como resultado de uma empolgação excessiva durante a penetração.

-      Contraindicações:
Dor: Se sentir dor pare. Casos com dor eu prefiro fazer na minha clinica um exame endoscópico especifico para examinar o anus e canal anal para afastar doenças inflamatórias que possam da dor, trato e depois libero para o uso do dildo.

Fissura anal: Poderá aumentar a fissura e não tente usar anestésico que só mascara.

        DST: Use sempre a camisinha no dildo

   
        Complicações da relação anal:

- Dor:
A maioria das mulheres que praticam o sexo anal referem prazer e a minoria dor. Na minha experiência clinica as principais causas de dor foram a falta de relaxamento dos músculos que estão na volta da abertura anal associada a um ativo desgovernado, isto é sem a menor paciência, e a doenças preexistentes como as fissuras e proctites ( inflamação anal) com ou sem hemorroidas. Se você sentir dor intensa no inicio da relação ou em uma relação mas prolongada, pare imediatamente, dê um tempo e tente  recomeçar fazendo um relaxamento adequado dos músculos anais através de um massageamento delicado e progressivo, juntamente com caricias e afeto e se persistir para e tente recomeçar no dia seguinte. Nas relações mas prolongadas se  resolver continuar troque a camisinha pelo risco de perfuração da mesma e faça uma nova lubrificação intensa. Não indico os óleos  vendidos em lojas de produtos eróticos porque muitas pacientes referiram após a relação irritação anal e mesmo vaginal, dermatites ( inflamação da pele ) e desconforto. Use como indicado acima lubrificantes a base de água.

- Sangramento:
Fissura anal: O sangramento ocorreu com maior frequência nas pacientes com fissura anal traumáticas decorrente de uma lubrificação deficiente e da falta de um relaxamento muscular adequado. Na inspeção clinica havia mas de uma e dispostas no sentido radiado na abertura anal.

Hemorroida: O sexo anal não causa hemorroida, porem poderá determinar sangramento, inflamação com dor, desconforto e coceira se um relaxamento e lubrificação não forem feitos adequadamente.

      
- Incontinência anal: Felizmente é rara sendo mas frequente nas pacientes que se masturbaram com objetos inadequados como os perfuro-cortantes ou de grande diâmetro. Você deverá utilizar objetos de extremidade romba e de material macio. O problema é que dildos ou brinquedos de grande diâmetro podem esgarçar o musculo formador do esfíncter anal e determinar a incontinência que poderá ser a gases, secreções e fezes. `

- Infecciosas:
O sexo anal  transmite mas doenças que o vaginal pela menor capacidade de abertura da rima ou orifício anal que determina o aparecimento de microlesões ou fissuras que representam portais de entrada para microrganismos e pelo sangramento local. É real o fato que a maioria dos homens  colocam a camisinha somente na hora da penetração, e não aprendem que nas relações recentes, instáveis, de risco e naquele tesão de ultima hora que rolou na balada  o uso da camisinha  é obrigatório e deverá ser colocada precocemente.  Após ler os sinais e sintomas  das principais DST, que serão aqui descritas, dê uma inspecionada no pênis do seu parceiro  antes mesmo de fazer o sexo oral, atrás de sinais e sintomas   indicativos de DST  e outras afecções que poderão ser transmitidas pela relação sexual.

Virais:

-      Herpes simples:
O vírus da herpes contamina apenas humanos, sendo bastante comum.
Causa:
É uma doença sexualmente transmissível causada por dois tipos de vírus:
Tipo 1: Determina o aparecimento de vesículas nos lábios, boca e menos frequentemente nos genitais.
Tipo 2: Afeta os genitais

Transmissão:
Pelo contato sexual direto, penetração e contato oral-anal, principalmente na fase das bolhas. Fora das fases das bolhas, os vírus ficam latentes e não há contaminação.

         Tempo de incubação:
Os sintomas geralmente aparecem de 2 a 10 dias  após o contato com o vírus e permanecem em media entre 2 a 3 semanas.


Formas de apresentação:
Ardência e vermelhidão local e posteriormente o aparecimento de bolhas agrupadas de cor clara e doloridas que apos romper poderão determinar o aparecimento de pequenas feridas muito doloridas nos genitais e ânus.

          Achados anorretais:
          A região anorretal poderá está congesta e       edemaciada, extremamente dolorosa, com presença das vesículas e erosões, sendo muitas vezes necessário fazer o diagnostico diferencial com sífilis e em mulheres imunodeprimidas ( HIV ) com citomegalovírus. As lesões poderão se estender para a pele do períneo e coxas.
         
          Locais acometidos:
Mulher: Lábios, ânus e mucosa vaginal.
          Homem: Lábios, Glande e corpo do pênis.
          Diagnostico: Presença das bolhas.

          Tratamento:
Pomadas de uso local.
Medicamentos que melhorem a resistência.
Evitar o estresse.

Comentário:
A doença não tem cura, podendo recidivar em períodos curtos ou longos.

Estresse: Leia com atenção:
Deverá ser evitado o máximo que você poder, pois no estresse ocorre a liberação de um hormônio chamado CORTISOL que atua diminuindo os ANTICORPOS  que policiam os vírus do herpes nos gânglios linfáticos profundos. A consequência será que os vírus deixam os gânglios e afloram na pele ou mucosa determinando o aparecimento do principal sintoma que são as bolhas. É muito frequente os pacientes referirem o aparecimento do herpes após diferentes tipos de estresse do trabalho ao exercício físico extenuante.


 HPV/Condiloma:

Transmissão:
A maioria das infecções são transitórias sendo combatidas espontaneamente pelos anticorpos ( células de defesa ), principalmente em jovens. Qualquer pessoa infectada pelo vírus desenvolve anticorpos, mas nem sempre são suficientemente competentes para eliminar os vírus que é
 transmitido pelo contato  direto da pele ou mucosa infectada com a pele ou mucosa sadia. Os HPV genitais poderão ser transmitidos também por meio das relações sexuais e contato com fluido contaminados oral, genital e anal.

Locais de localização do HPV:
Pele:
Mulher: Grandes lábios vaginal, virilha, púbis e anal.
Homem: Corpo do pênis, virilha, púbis e anal. 
Mucosa:
Mulher: Grandes Lábios, boca ( gengivas ) e vaginal.
Homem: Glande, uretra e boca ( gengivas).

Tempo de aparecimento da doença:
Poderá ser de dois a oito meses após o contato com o vírus.



Exames:
-Papanicolau: Analise citopalógica ( células ) que da o diagnostico das formas subclínicas, para sua melhor compreensão sem as verrugas.
-Confirmação  diagnostica:
É feita por exames laboratoriais de biologia molecular, abaixo descritos:
-Tipagem por PCR:
Saber os tipos:
6/11: São encontrados na maioria das verrugas genitais e parecem não oferecer nenhum risco de progressão para malignidade.
16,18, 31, 33, 45, 58: São de alto risco para malignização.
- Captura hibrida: Para HPV anal e vaginal.


- Coloração do vírus com corante especifico:
Tenho usado durante a cirurgia anal para retirada das verrugas anorretais, técnica de coloração injetando
corante que se fixam ao núcleo ou DNA do HPV com mudança de coloração em áreas que não tinham as verrugas com a vantagem de poder cauteriza-las durante a cirurgia o que representa uma vantagem em relação a recidiva da doença.

- Peniscopia: Endoscopia peniana
Se a parceira esta contaminada e o parceiro não apresentar verrugas, ele deverá fazer a genitoscopia ou peniscopia que consiste na visualização da mucosa peniana através de lente de aumento onde poderá ser feita uma coleta de células para pesquisa do DNA viral pela biologia molecular que irá comprovar a presença do vírus na uretra peniana.




- Tratamento:
Sempre informe e seja honesto com o seu paciente:
Se faz importante frisar, e eu sempre deixo claro para os meus pacientes, que o HVP não tem cura e as verrugas representam uma manifestação clinica indicadora da presença do vírus.

Preventivos:
Camisinha:
Uso das camisinhas feminina e masculina.
 Use a camisinha desde as preliminares para a pratica do sexo oral, genital e principalmente o anal onde a ruptura poderá ocorrer com mais frequência por não existir na região anal uma lubrificação. As camisinhas de tamanho ideal, mas grossas e de dupla camada usadas com um lubrificante a base de água representa a combinação ideal para evitar a ruptura com risco de transmissão de doenças.

Vacina:
No Brasil está liberada para mulheres entre 9 a 26 anos e recentemente foi liberada pela ANVISA para homens.  
Vantagem:
Breca os tipos mas frequentes nas verrugas genitais, 6/11 e os mas oncogenicos, 16/18.
Desvantagem:
A vacina não protege contra as verrugas existentes.

Importância da vacina para as mulheres: Se todas as adolescentes fossem vacinadas, na fase adulta os cânceres nas mulheres relacionados com o HPV  diminuiriam em 70%.

Pomadas:
Existem médicos que indicam, porem eu não indico principalmente quando há varias verrugas perianais e o paciente faz o sexo anal passivo. Os casos que me levaram a não indicar as pomadas, apresentavam cicatrizes, algumas exuberantes e comprometimento das preguinhas perianais, situações que impossibitavam alguns pacientes homens e mulheres a pratica do sexo passivo e os afetava no psicológico também.

Cirurgia:
A principal causa da recidiva ou permanência do HPV após a cirurgia para a retirada foi que o medico não realizou durante o procedimento uma analise endoscópica na parte interna do canal anal. Eu sempre faço esta endoscopia intra-operatória associada a técnica de coloração do DNA viral e retiro as verrugas com o laser sob anestesia local. Sempre tenho o cuidado de deixar uma margem de segurança quando retiro as verrugas para incorrer o risco de deixar verruga no local que foi descrito por autores que detectaram o DNA viral na margem da lesão retirada.

HPV: Princípios gerais para o tratamento das verrugas anais:
- É complexo e multifacetado;
-  O tratamento é difícil e deverá ser focado nas particularidades de cada caso;
- Nenhuma modalidade terapêutica é eficaz em todos os casos;
- Deve-se em casos selecionados pesquisar a concomitância de outras DST e o estado imunológico do paciente:
Estudo da FMUSP: Estudo feito no hospital das clinicas em 104 pacientes de DST ( Sendo 37 de condiloma acuminado ), em 23% dos casos tiveram sorologia positiva para sífilis e 16,3% para HIV.
- Deve-se evitar intempestividade ou desespero para um tratamento mas rápido, pois além de apresentarem mas complicações, como necrose e dor, comprovadamente não há um aumento na eficácia ou diminuição das recidivas da doença.

- Camisinha: O seu uso deverá ser encorajado enquanto durar o tratamento, porém será de pouca utilidade na ocorrência de relação monogâmica estável, pois a chance do parceiro já ser portador é alta.


Aspectos psicológicos da infecção pelo HPV:
A infecção pelo HPV devido a transmissão sexual e possível envolvimento com lesões pré-ou cancerosas, poderá levar a sentimento de culpa e medo. Grande quantidade de pacientes infectadas apresenta, dificuldades sexuais  em testes psicológicos e psicodinâmicos. Isto acontece, principalmente em pacientes com lesões muito extensas, podendo ocorrer perda do desejo sexual e experiências insatisfatórias em mais de 50% dos casos. Dados sobre a relação com o parceiro sexual indicam piora em 15% dos casos, e entrevista mostrou que mas de 25% das pacientes temem que sua doença possa evoluir para o câncer.




HPV X Câncer de ânus:
A câncer de ânus representa menos de 4%  dos tumores colorretais. No Brasil as estatísticas indicam menos de mil novos casos por ano. É mas frequente em mulheres do que em homens diferentemente do câncer do reto. A causa parece está relacionada a vários fatores comportamentais, imunológicos e genéticos. Estudos recentes afastaram como causas do câncer de ânus os processos irritativos, como as doenças inflamatórias intestinais, hemorroidas e as fissuras anais.
Fatores envolvidos no câncer de ânus: 
- HPV: É o fator etiológico mas importante envolvido na gênese deste câncer, em um processo semelhante ao que ocorre no câncer do colo uterino. Foram encontrados de 105 a 20% de câncer de ânus em fase inicial.
- Número de parceiros: Há uma relação direta com o número de parceiros > de 10.
- Tabagismo
- Pratica do sexo anal
- HIV: Relacionado a imunodepressão ou as drogas usadas no tratamento que aumentam em 100 vezes o risco.
- uso de camisinha

Hepatites:
As hepatites sempre representaram uma preocupação para os praticantes do sexo anal pelo alto poder de infectividade dos vírus, B e C.

Portador são: Um problemão para os médicos!
O grande problema para a prevenção da transmissão das hepatites é o chamado portador são representado por pessoas que tem o vírus porem não apresentam os sintomas da doença no inicio do seu curso mas sim em uma fase mas adiantada quando o fígado poderá está com a sua função comprometida.
Sintomas: Desconforto abdominal, fadiga, perda de peso, dor de cabeça e muscular, febre moderada, urina escura e cor amarelada. Esses sintomas estão presentes em pacientes que permanecem com uma inflamação do fígado, cerca de 30%  após o contagio inicial pelo vírus B. As pessoas de elevado risco deveram ser vacinadas contra a hepatite B.

 Vias de transmissão:  
Embora os vírus possam está presentes nos fluidos e secreções corporais como as fezes, secreção vaginal e urina, você deverá se preocupar mesmo é  com o sangue, semem e possivelmente a saliva como principais meios de transmissão das hepatites acima referidas e com essa informação sempre procure fazer o sexo anal ou mesmo o oral responsável, isto é protegido pela camisinha e evite partilhar escovas de dente, laminas de barbear e agulhas para usuários de drogas.

Hepatite C: Um problema de saúde publica
Causada por um vírus conhecido como VHC ( vírus da hepatite C ), tem como principal via de transmissão o contato com o sangue e secreções contaminados pelo vírus. Diferente do vírus da hepatite B o VHC tem uma evolução de 80% para as formas crônicas da doença podendo a doença evoluir para a cirrose e câncer do fígado. Não há vacina para a hepatite C.

AIDS:
A  sigla representa Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, sendo causada pelo vírus HIV. Esse vírus tem um tropismo ou verdadeira atração pelos seus anticorpos, chamados linfócitos T e o mais conhecido é o CD4, ele ataca e destrói estas células de defesa, neste momento a doença começa a se instalar no organismo.


Transmissão:
Para que haja a contaminação, o vírus deverá entrar na sua corrente sanguínea e se fixar a um receptor nos seus anticorpos. Esse vírus poderá está presente em todas as secreções e fluidos corporais como o sangue, semem, secreções vaginais, saliva e até mesmo o leite materno e qualquer forma de sexo desprotegido poderá determinar a infecção pelo HIV. Casuísticas demonstraram que o HIV é mas transmitido pelo sexo anal e vaginal e com menor possibilidade pelo sexo oral onde a concentração ou numero de vírus é menor.

Preste a atenção: Pisou na bola!
Se você deu aquela pisada na bola e fez o sexo anal, vaginal, oral desprotegidos, mantenha a calma e faça um teste para o HIV após um período de 6 semanas e 6 meses desde que teve a relação.

Diagnostico:
- Sinais e sintomas:
Os sintomas poderão aparecer após algumas semanas da infecção de forma frustra como febre, dor no corpo e ir aumentando conforme a progressão da doença, para:
Diarreia ;
Diminuição do apetite;
Fadiga e cansaço fácil;
Pontos brancos e manchas anormais na boca, gengivas;
Febre recorrente;
Suores noturnos;
Emagrecimento;
Gânglios aumentados;
Ínguas.


- Exames: Sangue
Tipos de vírus:
HIV1: Responsável pela maioria dos casos de AIDS.
HIV2: Por casos isolados

Testes para Detectar esses vírus no sangue:
 ELISA: Verifica os anticorpos virais no sangue sendo o teste principal para detectar o HIV1 / HIV2.
Western Blot: É um segundo teste feito na mesma amostra de sangue que em casos de duvida confirmará a infecção pelo HIV.

Tratamento:
O tratamento contra o HIV é um dos que mais muda rapidamente na área da saúde, mas os medicamentos jamais deveram ser vistos como uma alternativa ao sexo seguro. Coquetéis se mostram cada vez mas potentes em atrasar a evolução da doença e melhorar a qualidade de vida dos pacientes contaminados. Até o momento ainda não existe cura para a AIDS.


DST não virais:

- Sífilis:
O Treponema pallidum é o causador da doença que é transmitida pelo contato direto com as lesões abertas ou por transfusão de sangue contaminado na sífilis adquirida e por via tranplacentaria na sífilis congênita. O treponema é capaz de penetrar pela pele e pelas mucosas integras, mas a penetração é extremamente facilitada quando houver um ferimento. Admiti-se que cerca de 50% a 60% dos contatos adquiram a infecção.

Os casos de sífilis mas frequentes atendidos na minha clinica foi na forma de uma pequena fissura no ânus, geralmente indolor e em alguns casos associados a gânglio aumentado na virilha. Eu suspeitei porque havia história de sexo anal passivo e a dor era pequena quando comparada a fissura não sifilítica. Pedi o VDRL que é o exame para confirmação da sífilis que veio positivo e eu tratei com antibiótico adequado com cicatrização da fissura.


- Vaginites:
É a inflamação e infecção da mucosa vaginal causada mas frequentemente por uma bactéria coliforme chamada Escherichia Coli, que foi introduzida no canal vaginal pela relação anal e vaginal simultânea. O sintoma é o corrimento vaginal presente em 50% a 70% dos casos, com substituição da secreção vaginal fisiológico por uma acinzentado ou amarelado, geralmente em moderada quantidade. O diagnostico também será feito pela identificação da E.Coli pela cultura da secreção. O tratamento com antibióticos oral e local visará erradicar ou diminuir o numero de bactérias patogênicas e ao restabelecimento da flora vaginal fisiológica ou normal.


Informações importantes para o sexo anal:
- No caso da camisinha estourar dentro do ânus e reto:
Mantenha a calma;
Pare a relação e retire o pênis;
Não tente no desespero retirar pedaços da camisinha introduzindo objetos dentro do reto, deixe para o proctologista;
Estimule a evacuação para eliminar restos da camisinha.

- Risco de DST: A pratica do sexo anal e vaginal simultaneamente e sem camisinha é considerada de alto risco para aquisição de HIV/DST.

- Risco de contaminação: Qualquer contato com secreções envolve riscos de contaminação para os parceiros que deveram ser tratados simultaneamente.

- Atenção: A presença de corrimento anal com coceira  e dor na penetração são indicativos de doença infecciosa e a relação deverá ser interrompida.

- O numero de relações anais  deverá ser uma decisão do casal e para iniciantes a região poderá está sensível e a repetição poderá determinar o aparecimento de fissuras. O bom senso predominará.
- Surpresa desagradável: Nunca faça a limpeza ou lavagem com grandes volumes de liquido porque este subirá para o reto e colón e na hora da relação você poderá o dissabor de eliminar secreções.

Literatura pesquisada:
1- Livro: Prevenção do Câncer: Sociedade Brasileira de cancerologia – Ano 2010
2- Livro: Doenças  sexualmente transmissíveis: Walter Belda Jr.
3- Livro: Prazer em conhecer: Debora Pádua
4- Livro: Surgery of the Colón & Rectum – Goligher
5- Revista: Clinicas cirúrgicas da América do norte 
6- Livro: Atlas de anatomia – Netter
7- Livro: Atlas de anatomia – Gray
8- Manual da saúde GLBT
9- Livro: Fisiologia anorretal – Guiton
10- Livro: Gastrao: Cirurgia proctologica
11- Livro: A cama na varanda – Regina Navarro Lins
12- Livro: O Prazer Secreto – Dr Celso Marzano
13- Livro: Kama Sutra – Alicia Gallotti






Nenhum comentário:

Postar um comentário