Neste Blog, o Dr. Paulo Branco irá publicar matérias sobre as suas especialidades, além de responder duvidas e interagir com seus leitores e pacientes.
Fique sempre atualizado para saber das melhores e mais inovadoras técnicas para desenvolver seu bem estar e qualidade de vida.
Envie suas dúvidas e perguntas para: paulobrancoprocto@gmail.com

Youtube - Dr. Paulo Branco

Youtube - Série especial de vídeos

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Sexologia: Relação anal




Relação anal:
 Medico: Dr Paulo Branco
- Mãos limpas e unhas cortadas:
       Já tratei de pacientes com ferimentos importantes na vulva, ânus e canal anal consequentes a unhas compridas. Não esqueço de ter atendido uma paciente que teve um desses ferimentos causado pelas referidas unhas de uma paciente portadora do vírus da hepatite C. Até hoje os exames desta paciente dão negativos.

- Lavagem:
Eu sempre falo que a lavagem deverá ser somente do reto com pequenos volumes de liquido ou enemas que você poderá adquirir em farmácias e feita cerca de 01h antes da relação. Se você injetar grandes volume de liquido, o mesmo será aspirado para o interior do intestino e poderá ser eliminado no momento da relação.

- Lubrificação: 
O canal anal não apresenta uma lubrificação própria como a mucosa vaginal por isso uma lubrificação adequada com lubrificantes a base de agua e neutro representará parte obrigatória antes e durante na relação anal. Desaconselho o uso do gel com anestésico ou somente o anestésico para qualquer forma de penetração pois além de tirar as sensações táteis prazerosas poderão causar ferimentos pela perda da sensibilidade local.  Muitas pacientes me procuram com inflamações na parte interna do anus, diagnosticadas como proctites e fissuras chamadas de radiadas na pele perianal que são consequentes a uma lubrificação inadequada associada a falta de comando da passiva no inicio da relação.

Penetração:
Existem variadas formas de penetração no sexo lesbico e as mas frequentes são: acessórios como as cintas ( calcinhas com brinquedos fixados a ela), dildos ( pênis de silicone, látex e borracha ) vibradores e os dedos. Para a pratica do sexo vaginal os dedos são os mas utilizados. A penetração não é uma unanimidade no sexo lesbico, assim como as lesbicas são mercê de criticas por usarem pênis sintéticos para penetração e praticas sexuais. A explicação das lesbicas é que esses brinquedos são manipulados por outra mulher envolvidas no desejo entre mulheres e não fazem parte ou estão presos ao corpo humano das mulheres.  

- Penetração: Uso de dildos ou brinquedos:
Muitas mulheres não vão a uma loja se sex shop por vergonha, medo de está fazendo coisa errada ou que o mundo inteiro esta de olho. Se você faz parte deste grupo, mude porque segundo os donos destas lojas preparados para um bom atendimento, 80% dos produtos são vendidos  para mulheres que entram e escolhem o seu brinquedo de diversão, diga-se de passagem são muitas as opções, e a escolha geralmente combina com as suas expectativas, fantasias e desejos. Mas se você não venceu a timidez poderá adquirir pela internet. Esses brinquedos são de grande importância para iniciantes e muitas pacientes referem ter definido um ponto G ou alcançado o orgasmo  através da masturbação com o dildo. Todos os cuidados descritos como forma profilática de traumatismos, como ter um relaxamento adequado dos esfíncteres e uma boa lubrificação deveram ser aplicados para o uso dos brinquedos.  0 uso dos brinquedos eróticos poderá melhorar a sua relação ou não. Antes de adquirir o seu, leia e siga as regras abaixo descritas para se divertir com prazer e de forma segura:

         


Dicas e orientações para o uso dos dildos:
-      Orientações: Siga as orientações que acompanham cada produto.
-      Higienização: Faca a limpeza antes e depois do uso com agua e sabão ou produto adequado.
-      Embalagens: Não reutilize.
-      Compartilhamento: Não compartilhe com ninguém pois o risco de transmissão de DST para você poderá ser real.
-      Lubrificação: Deverá ser feita com lubrificantes a base de agua na abertura anal e reto inferior.
-      Alergia: Se houver pare imediatamente e se aumentar ou persistir procure um medico.
-       Dildo ideal: Material macio, com ponta romba, de diâmetro progressivo e com uma haste na sua base para evitar o deslizamento ou aspiração do produto para dentro do intestino que poderá acontecer como resultado de uma empolgação excessiva da ativa durante a penetração.



-      Vibradores:
  As lesbicas não apreciam os vibradores a pilha pelo fato        de poderem aprontar fora de hora. Os elétricos são os preferidos pela maior durabilidade, pelas vibrações mas fortes, homogêneas e constantes. Os pênis de silicone são  usados por serem macios, menos traumático e poderem  alcançar uma profundidade que você espera na relação embora não seja apreciada por muitas pela sua grande semelhança com o pênis. O uso dos brinquedos na relação fará você escolher o preferido com o qual irá descobrir  o caminho do prazer. Para muitas mulheres a associação dos vibradores com uma fantasia bem erótica determinará orgasmos enlouquecedores.  Se você esta naquela fase de ter enjoado o seu vibrador tente o método de parar e recomeçar. No meio do rala e rola, pare com o vibrador e use outras maneiras  de estimulação como mãos, dedos e mesmo com a parceira, alterne, seja criativa até chegar ao orgasmo.


Contraindicações para o uso dos vibradores:
Dor: Se sentir dor pare. Casos com dor eu prefiro fazer na minha clinica um exame endoscópico especifico para examinar o anus e canal anal para afastar doenças inflamatórias que possam da dor, prefiro tratar e depois libero para o uso do dildo.
         Fissura anal: Poderá aumentar a fissura e não tente usar anestésico que só mascara.
    DST: Use sempre a camisinha no dildo.



Técnicas para o sexo anal:

- Inicio: Dialogo
A comunicação sexual representa uma das maneiras mais intensas e direta dos amantes se relacionarem, falando de forma aberta, clara e sem preconceitos sobre as suas fantasias, prazeres e necessidades sobre as quatro paredes.
A linguagem é um dos códigos mais claros e compreensíveis que se partilham, ao passo que os outros modos de relacionamento, por exemplo, os físicos, mudam de significado de uma pessoa para outra, e variam segundo os estados de espirito, o caráter e outros traços da personalidade. A comunicação sexual apóia-se tanto nas palavras como nos gestos e é dai que vêm a sua enorme riqueza e variedade, por isso, excluir uma das possibilidades é limitar o caminho do prazer. A confiança e a intimidade que se ganham ao expressar verbalmente a excitação e o gozo são o primeiro passo para a comunicação dos sentimentos.





- Preliminares:
Para a realização do sexo anal as preliminares passam a ser fundamentais para o relaxamento e entrega dos parceiros. As zonas consideradas erógenas deveram ser percorridas e estimuladas pelas mãos de forma delicada proporcionando na mulher um aumento do libido e desejo, as preferidas são:

- Boca: O beijo representa o grau máximo da intimidade, desencadeia a resposta química da sexualidade, alterando os hormônios responsáveis pelo libido e prazer, elevando os níveis de excitabilidade do casal.

- Orelhas: As orelhas quando acariciadas pelas mãos e beijos parecem promover nas amantes uma descarga adrenérgica e de excitabilidade intensos.

- Nuca: É uma área erótica, extremamente sensível sendo muito explorada pela ativa no sexo anal passivo. Quando tocada suavemente estimula receptores nervosos proporcionando um grande prazer.

- Mãos e dedos: O tocar das mãos sugere sensibilidade e desperta sentimento e paixão.
- Mulher: Técnica do sexo passivo
Pergunto frequentemente as minhas pacientes lesbicas que praticam o sexo anal passivo sobre a existência de dor e a maioria me responde que não sentem dor. Com pouco conhecimento da fisiologia, a penetração anal poderá ser feita de forma segura, sem riscos. Como qualquer músculo, seu esfíncter interno poderá contrair-se de forma reflexa ao entrar em contato com o brinquedo e fechar a abertura anal até o momento em que se cansa e precisa relaxar o que demora de  30’ a 60’. Se você não tiver esta paciência irá forçar o esfíncter interno que se encontra fechado e determinar o aparecimento de lesões como as fissuras. Quando perceber o relaxamento do esfíncter realize a penetração e após alguns movimentos suaves se mexa na posição que desejar. Depois da penetração você poderá realizar carinhos, caricias, beijos e manipulação das áreas perineais, vaginal e clitoriana para aumentar o desejo e libido. A mulher poderá chegar ao orgasmo com a manipulação do clitóris e mesmo do ponto G durante a penetração anal. Para que a penetração ocorra de forma indolor sugiro que a passiva no inicio esteja no controle da relação e realize as regras da penetração inicial. Uma vez ultrapassado o esfíncter o caminho está livre. O reto tem aproximadamente 17cm de comprimento, o suficiente para acomodar qualquer brinquedos macios e com haste na sua base.  Para muitas pacientes o problema não é o comprimento, mas sim a circunferência da abertura anal.

- Participação dos músculos:
Estudos e observações clinicas feitas por fisioterapeutas demonstraram que mulheres que exercitaram com frequência os músculos perineais, perianais e pélvicos  referiram benefícios, como:
- Sensações pélvicas mas exuberantes;
- Orgasmos mais intensos e com maior controle na relação.

- Relaxamento da Musculatura anal x penetração:
 A musculatura anal é mas firme e contribui  para manter a fenda anal fechada. Para o relaxamento desta musculatura faça uma massagem delicada por cerca de 2 no musculo perianal e controle a penetração e a impulsividade da ativa que geralmente conduzida pelas suas fantasias eróticas extremas não respeitará este tempo de relaxamento adequado para uma penetração sem traumatismos.
        
- Complicações da relação anal:
- Dor:
A maioria das mulheres que praticam o sexo anal referem prazer e a minoria dor. Na minha experiência clinica as principais causas de dor foram a falta de relaxamento dos músculos que estão na volta da abertura anal associada a uma ativa desgovernada, isto é sem a menor paciência, e a doenças preexistentes como as fissuras e proctites ( inflamação anal) com ou sem hemorroidas. Se você sentir dor intensa no inicio da relação ou em uma relação mas prolongada, pare imediatamente, dê um tempo e tente  recomeçar fazendo um relaxamento adequado dos músculos anais através de um massageamento delicado e progressivo, juntamente com caricias e afeto e se persistir para e tente recomeçar no dia seguinte. Não indico os óleos  vendidos comercializados em lojas de produtos eróticos porque muitas pacientes referiram após a relação irritação anal e mesmo vaginal, dermatites ( inflamação da pele ) e desconforto. Use como indicado acima lubrificantes a base de água.

- Sangramento:
Fissura anal: O sangramento ocorreu com maior frequência nas pacientes com fissura anal traumáticas decorrente de uma lubrificação deficiente e da falta de um relaxamento muscular adequado. Na inspeção clinica havia mas de uma e dispostas no sentido radiado na abertura anal.

Hemorroida: O sexo anal não causa hemorroida, porem poderá determinar sangramento, inflamação com dor, desconforto e coceira se um relaxamento e lubrificação não forem feitos adequadamente.

      
- Incontinência anal: Felizmente é rara sendo mas frequente nas pacientes que se masturbaram com objetos inadequados como os perfuro-cortantes ou de grande diâmetro. Você deverá utilizar objetos de extremidade romba e de material macio. O problema é que vibradores, dildos ou brinquedos de grande diâmetro poderão esgarçar o músculo formador do esfíncter anal e determinar a incontinência que poderá ser a gases, secreções e fezes.



- Infecciosas:
O sexo anal  transmite mas doenças que o vaginal pela menor capacidade de abertura da rima ou orifício anal que determina o aparecimento de microlesões ou fissuras que representam portais de entrada para microrganismos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário